segunda-feira, 12 de maio de 2008

Nem tudo está perdido


Hora do almoço, avenida Anita Garibaldi, quase em frente ao prédio da Justiça Federal, esquina do Ahu com o Cabral. Mãe e filhote vão atravessar a rua. Sim, mãe e filhote cães, um filhote lindo como todo filhote é. Isso não vai dar certo, pensei, e é incrível como neste pedaço bem-de-vida da cidade, região praticamente central, se vê tanto cachorro nas ruas. Pensado e feito, o pequeno saiu gritando e correndo atrás da mãe lá adiante, já na calçada. Um carro o pegou no meio da rua. Coisa rara de acontecer, a motorista - que não teve tempo de frear ou desviar - parou para tentar socorrer. Fui atrás do bichinho, mas ele já havia sumido. Sugeri e ela me deixou o número do celular. Se eu cruzar com o cãozinho, que deve estar com a pata machucada ou pior, ligo e ela vem pegá-lo pra levar no veterinário. Tomara.

2 comentários:

lele disse...

que querido :)

Marcelo Amorim disse...

É, Lelê, hoje passei lá mas não vi o bichinho, que dificilmente voltará tão cedo ao lugar, mesmo se estiver bem. Ficou com trauma, isso é certo. Mas vou dar uma olhadinha todo dia, e aviso se ele aparecer ;-)